Brasil reduzirá crescimento.

Economia

Fonte:dw.de

FMI reduz previsão de crescimento do Brasil e alerta para crise da Ucrânia

Fundo prevê que PIB brasileiro crescerá 1,8% e pede “políticas mais restritivas” contra inflação. No âmbito mundial, órgão tem perspectiva favorável, mas chama atenção para desaceleração da economia chinesa. Continue lendo »

Um aeroporto numa cidade dormitório.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Aos são-gonçalenses

Continue lendo »

José Serra e o golpe de abril de 1964.

O golpe de 64 visto de perto pelo líder estudantil José Serra

RESUMO Em 1º de abril de 1964, quando os militares tomaram o poder no país, José Serra, 22, era o presidente da UNE. O texto publicado nas próximas páginas é um trecho editado de “Cinquenta Anos Esta Noite”, a sair pela Record em junho, no qual o político narra, em tom pessoal, a escalada dos eventos que levariam ao golpe.

Continue lendo »

Centenário do escritor Moacir de Lucena, reserva moral potiguar.

 

 Fonte: blog de Lúcia helena Pereira.

quinta-feira, 27 de março de 2014

Instituto Histórico comemorou 112 anos.

sábado, 29 de março de 2014

Nazistas planejaram queimar milhares de quadros.

Cultura

Grande queima de “arte degenerada”: um mistério de 75 anos

Destruição de 5 mil obras foi decretada pelo regime nazista, mas até hoje não está esclarecido se de fato ocorreu. Enquanto pesquisas prosseguem, peças marcadas como incineradas voltam a aparecer. Continue lendo »

Zé Agripino foi quem acabou com a violência em S. Miguel/RN.

A Coluna do Gal. Miguel Costa/Prestes em São Miguel/RN, em 1926. (VIII)
Luiz Gonzaga Cortez.
A Passagem do Exército Brasileiro rebelde, conhecida por Coluna General Miguel Costa/Prestes, em 1926, pela Vila de São Miguel, um lugarejo mixuruca de quatro ruas, não deixou rastro de terror e destruição, pois já existia banditismo, coronelismo de baraço e cutelo, assassinatos de encomendas, crimes hediondos, mandonismo, eleições sujas, etc. Matava-se por qualquer motivo, à luz do dia. Sem me aprofundar no estudo da violência quem imperou nas últimas 10 décadas na região  Alto Oeste Potiguar, a 500 quilômetros de distância de Natal,  consultei o livro de Zenaide Almeida Costa, “A Vida em Clave de Dó”, e extraí alguns trechos sobre os potentados da região que eram chamados de “chefes”, mas que não passavam de chefetes.

Continue lendo »

Fugiu de casa para ser poeta.

Renato Gomes, um poeta popular. 

Luiz Gonzaga Cortez*“Memórias de um leigo” é o livro de estreia do poeta popular Manoel
Renato Gomes, natural de Currais Novos, nascido e criado até os 18
anos no sítio Liberdade, a poucos quilômetros do casarão da sua bisavó
Maria Senhorinha Dantas Pegado Cortez, conhecida por “Marica Pegado”,
uma mulher culta e inteligente que administrou uma hospedaria em “São
Luiz”, até fins de 1927. Octogenário, Sr. “Santos”, apelido familiar,
muito cedo deixou os estudos para se dedicar a agricultura e ajudar a
família. Quando atingiu a maioridade, se alistou na Aeronáutica, mas
foi dispensado porque dois irmãos já serviam na Base Aérea de Natal,
em Parnamirim. O sonho de estudar na capital, fracassaram.
Decepcionado com a discriminação, o  poeta “Santos” arrumou a mala e
partiu para o Sul do Brasil, em busca de trabalho. Andou pelo sul,
sudeste, norte e centro-oeste, trabalhando em fazendas e empresas
urbanas, sem deixar de gravar na memória o universo humano, as
desigualdades sociais, a convivência entre pobres e ricos, as
diferenças étnicas, a qualidade de vida, a marginalidade, a política e
a cultura.
Depois de mais de 5 décadas de viagens pelo Brasil, Manuel Renato
Gomes conseguiu editar o livro de memórias, através da “Petry -
Gráfica e Editora Ltda.”, de Brasília/DF, em 2011. O livro é recheado
de pensamentos, adágios, sonetos, críticas aos dirigentes da Nação, a
minoria da classe política que não se preocupa com os problemas
coletivos, etc. Não escapa ninguém que fez e faz o mal ao povo. Nem o
pai escapa. Analise duas estrofes do poema “Espelho” (p.153) e tire
suas conclusões do poema do sertanejo sofredor, mas feliz, hoje: “Eu,
desde menino bem pequeno/meu fraco era brincar no frio e calor/porque
chovendo eu não ia para a roça/E fazendo sol até hoje eu não vou. / Eu
nasci numa bendita fazenda/Que tinha o nome de liberdade/E eu fui um
dos escravos brancos/ Que sofri muito castigo e maldade”.
Segundo a romancista Custódia Wolney, no prefácio, “a poesia de Renato
Gomes traduz a sabedoria de um homem que sabe extrair do cotidiano a
essência da vida. Observa, sente. Seu ser é invadido por  uma
necessidade de transformar em estrofes e rimas as faces que  delineiam
um fato. Homem de muita sensibilidade, palavras francas e olhar
sincero. Um artista que foi esculpido ao longo da vida por
experiências que lapidaram o seu ser e por volta dos 50 anos, surgiu
um Poeta pleno com a habilidade de tocar o íntimo do coração do
leitor, com suas palavras cheias de verdade e sentimento. Goiás Velho,
cidade de Cora Coralina, de Goiandira Couto, e tantos outros
importantes artistas, ganha hoje um grande Poeta, Renato Gomes, que
vem fazer história e acrescentar sua forte e marcante contribuição ao
acervo cultural da cidade”.
Renato Gomes escreve talqualmente fala o homem do povo. Apesar de
pouca instrução, ele é rico em cultura popular e assegura: “Ser
inteligente com humildade e simpatia é caminhar em direção ao último e
mais alto degrau da competência e sabedoria. Fazer o mal é fácil, o
difícil é colher o fruto que ele produz”. “Memórias de um leigo” foi
produzido pela Petry Editora, SIBS , Q.03, Conjunto “A”, Lote 11,
Núcleo Bandeirantes -DF. Tel (61) 3386.2944/ 3879.9292/ – imeio:
petrygrafica@gmail.com
Obs.: O livro de Francisca Noélia de Oliveira, “Grandes Personagens do
Sertão – A história dos esquecidos pela história”,  Editora Travessia,
Manaus, 2012, é outra obra literária, que deve ser lida pelos amantes
da poesia e prosa de uma parte do Seridó potiguar. Manoel Renato Gomes
e Francisca Noélia de Oliveira são curraisnovenses, mas não se
conhecem. Ambos se preocupam com os problemas sociais e dos excluídos.

Continue lendo »

A caça aos livros.

Garimpo literário

Publicação: 07 de Março de 2014 às 00:00 |

 Fonte: Tribuna do Norte.

Tonheca Dantas Filho faleceu domingo.

segunda-feira, 3 de março de 2014

Morre Tonheca Dantas Filho

Continue lendo »